OS LIMITES DA SUSTENTABILIDADE

Detesto fazer arrumações, mas, quando tem que ser, agarro-me à tarefa com energia. Na última empreitada fui presenteado. Ao tentar organizar alguns livros, reencontrei-me com um pensador superlativo. Voltei a embrenhar-me no pensamento do professor Adriano Moreira e na sua obra Memórias do Outono Ocidental: Um Século sem Bússola (Almedina, 2013).

Muita coisa mudou nos últimos seis anos, penso que ninguém terá dúvidas. Todavia, há realidades que, podendo assumir outras nuances, são de uma perenidade preocupante:

“As tragédias individuais obrigam a recordar que a fome não é um dever constitucional, e que a solidariedade organizada pela iniciativa privada dá sinais inquietantes de ser exercida por entidades que atingem os limites da sustentabilidade em relação às carências crescentes.”

A solidariedade organizada não é monopólio das Instituições Particulares de Solidariedade Social, mas estas têm uma intervenção muito relevante no combate à reprodução das desigualdades sociais. Os limites da sustentabilidade em relação às carências crescentes ficaram evidenciados no estudo sobre “A importância económica e social das IPSS”, feito pela Universidade Católica do Porto, e que tem o aval do Banco de Portugal.

O financiamento do setor tem duas fontes principais: os pagamentos de utentes e famílias, que representam 31,7% das verbas, e subsídios da Segurança Social e de outras entidades pública, o que equivale a 46,1% do dinheiro que entra nas instituições. Somando os dois valores, continuam a faltar 22,18% para que estejam reunidas as condições que garantam contas equilibradas.

O dia-a-dia nas instituições é duro e não está imune a ataques vis de quem “toma a nuvem por Juno” e lança anátemas sobre todo um setor, menosprezando o seu valor.

As nuvens não desapareceram, muito ainda há para fazer, no sentido do respeito pela autonomia, sustentabilidade e compreensão do papel de complementaridade das Instituições e não de substituição do Estado nas suas funções.

Foi com agrado e sentido de responsabilidade que recebemos o Compromisso de Cooperação para 2019-2020, firmado no dia 11 de Julho pelos três Ministérios (Trabalho Solidariedade e Segurança Social, Saúde e Educação) e pelas quatro Organizações representativas do Sector Social e Solidário (União das Mutualidades, União das Misericórdias, Confecoop e CNIS).

Os resultados da terceira edição da Conta Satélite da Economia Social, relativa ao ano de 2016, dão um sinal forte da importância da Economia Social:

 

  • “Em 2016, a Economia Social representava 3,0% (4.819M€) do Valor Acrescentado Bruto (VAB), 5,3% (4.321M€) das remunerações e do emprego total e 6,1% (234.886 ETC – Equivalente a Tempo Completo) do emprego remunerado da economia nacional.”

 

  • “As IPSS contribuíram com 44,2% (2.129M€) para o VAB, 51,5% (2.228M€) para as remunerações e o emprego total e 63,1% (148.287 ETC) para o emprego remunerado – estes dados evidenciam claramente a importância e o peso das IPSS na Economia Social e na Economia Nacional.”

 

José Carreira

 

 

 

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestShare on LinkedInShare on StumbleUpon

CAFÉ MEMÓRIA VISEU – ANULADA A SESSÃO DE AGOSTO

Informamos que a próxima sessão do Café Memória de Viseu, agendada para o próximo dia 24 de Agosto de 2019, não será realizada.
Retomaremos as sessões, como habitualmente, no 4.º sábado de cada mês, das 10H00 às 12H00, no dia 28 de Setembro de 2019.

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestShare on LinkedInShare on StumbleUpon

CLDS 3 G VISEU IGUAL ENVOLVEU 18470 PESSOAS

Após 36 meses de funcionamento chegou ao fim o projeto Contrato Local de Desenvolvimento Social – CLDS 3G Viseu Igual.

As Obras Sociais do Pessoal da CM e SM de Viseu, na qualidade de Entidade Coordenadora Local de Parceria (ECLP), designada em sede do Conselho Local Ação Social (CLAS) de Viseu, agradecem a todos os parceiros o apoio dado na planificação e execução do projeto que englobou três eixos de intervenção: Emprego, Formação e Qualificação; Intervenção Familiar e Parental preventiva da pobreza infantil e Capacitação da Comunidade e das Instituições.

Este instrumento de promoção da inclusão social e de combate à pobreza persistente envolveu no total 18470 pessoas. Nesta tipologia de projeto, financiado pelo Programa Operacional de Inclusão Social e Emprego, os números são importantes porque são o garante do financiamento. Nesta vertente, as metas contratualizadas foram superadas:

METAS CONTRATUALIZADAS:                     METAS ATINGIDAS:

  • Indicador de realização – 3060 5279
  • Indicador de resultado – 153 388
  • Total de destinatários – 9546 18470

Estamos satisfeitos por termos superado as metas a que nos propusemos, mas estamos excecionalmente felizes porque sentimos que conseguimos ser um parceiro ativo que contribuiu para a coesão territorial e densificação da rede social. O sucesso teve na sua base o forte envolvimento e a generosidade dos parceiros que nos permitiram atuar de forma multissetorial e integrada, através de ações executadas em parceria.

O nosso sentido obrigado a todas as pessoas que, nas diversas respostas sociais e projetos, nos ajudam, dia após dia, a cumprir a nossa missão: colaboradores, associados, voluntários, dirigentes, famílias, parceiros, utentes… O vosso ADN, fortemente solidário, permite-nos somar valor à comunidade e capacitar as famílias com os instrumentos necessários e adequados para uma integração social com sucesso.

Brevemente, teremos novidades. Submetemos, no âmbito do CLDS 4G, dois projetos: Viseu Comunidade de Afetos e Viseu Positivo.

JOSÉ CARREIRA

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestShare on LinkedInShare on StumbleUpon

VI JORNADAS SABER ENVELHECER

Nos próximos dias 10 e 11 de outubro realizar-se-ão no Auditório da Casa de Saúde Bento Menni as VI Jornadas Saber Envelhecer.

As inscrições podem ser feitas via online ou por telefone.

Inscrições:

https://forms.gle/hcC9kofPpabts4XS7

https://www.irmashospitaleiras.pt/csbm/

Telef.: 271.200.840

PROGRAMA:

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestShare on LinkedInShare on StumbleUpon

Rede Local de Intervenção Social (RLIS) – Uma aposta ganha!

O projeto de Rede Local de Intervenção Social (RLIS) / Serviço de Atendimento e Acompanhamento Social (SAAS), iniciado em 2016 e planificado para 36 meses, no âmbito do Programa Operacional de Inclusão Social e Emprego (POISE), terminou no dia 31 de julho de 2019.
Um projeto inovador no território nacional que teve como principais objetivos:
-Potenciar a concertação da atuação dos diversos organismos e entidades envolvidos;
– Assegurar a coordenação eficiente de todos os agentes, meios e recursos;
– Promover o desenvolvimento de mecanismos e estratégias no âmbito da intervenção social;
– Reforçar a plataforma de colaboração estabelecida com as entidades que localmente prestam serviços no âmbito da ação social;
– Promover plataformas de colaboração com as entidades com intervenção em áreas complementares ao âmbito da ação social, previamente consensualizadas em sede de Comissão Nacional de Avaliação e Acompanhamento dos Protocolos e Acordos de Cooperação (CNAAPAC);-
– Assegurar o atendimento e acompanhamento social das situações de vulnerabilidade, nomeadamente através da gestão, a nível local, dos programas criados para esse efeito;
– Promover iniciativas de experimentação social que se constituam como novas abor-dagens de resposta a problemas emergentes identificados nos territórios;
Concertar a ação de todas as entidades públicas e privadas, estruturas e programas de intervenção na área das crianças e jovens em risco, de modo a reforçar estratégias de cooperação e de racionalização de recursos.
As Obras Sociais De Viseu agradecem a todos os colaboradores que formaram a equipa responsável pela excelente execução alcançada, bem como a todos aqueles que, nas diversas respostas sociais e projetos noa ajudam, dia após dia, a cumprir a nossa missão: colaboradores, associados, voluntários, dirigentes, famílias, parceiros… O sucesso do projecto tem a marca de muitas pessoas e instituições que contribuíram para que a intervenção superasse as expectativas iniciais.Foram realizados cerca de 800 Acordos de Intervenção Social; 5900 Entrevistas Serviço; 1476 Articulações com outros Serviços; 880 Visitas Domiciliárias.

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestShare on LinkedInShare on StumbleUpon

CLDS 3 G VISEU IGUAL – BALANÇO EXTREMAMENTE POSITIVO

O projeto comunitário CLDS 3 G ViseuIgual foi desenhado e implementado com e para as pessoas. Quando, há três anos atrás, definimos os objetivos a atingir e as atividades estratégicas a dinamizar, abraçámos o desafio com um enorme sentido de responsabilidade. As Obras Sociais De Viseu agradecem a todos os colaboradores que formaram a equipa responsável pela excelente execução alcançada. O sucesso do projecto tem a marca de muitas pessoas e instituições que contribuíram para que a intervenção superasse as expectativas iniciais.

A todas e a todos um sentido obrigado!

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestShare on LinkedInShare on StumbleUpon

A CRECHE QUE MERECE!

Já conhece a nossa Creche?
A Creche da IPSS – Obras Sociais Viseu está localizada no centro de Viseu e tem ao seu serviço uma equipa de profissionais experientes e dedicadas.
https://goo.gl/maps/n6phrroFoVGzJrUt7

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestShare on LinkedInShare on StumbleUpon

Alzheimer: Um Problema Global, Uma Resposta Local

Apresentação do trabalho que o Centro Apoio Alzheimer Viseu desenvolve em prol das pessoas com demência, dos seus cuidadores, familiares e amigos.
Informar a comunidade sobre os projectos futuros, bem como sobre a relevância das Terapias Não Farmacológicas.

 

 

Apoios:

Faces Bar

Digital3

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestShare on LinkedInShare on StumbleUpon

4.ª Geração do Programa de Contratos Locais de Desenvolvimento Social

É uma honra para a nossa organização ser a Entidade Coordenadora Local da 4.ª Geração do Programa de Contratos Locais de Desenvolvimento Social, em Viseu.
Centrado na promoção da inclusão social de grupos populacionais que revelem maiores níveis de fragilidade social num determinado território, mobilizando para o efeito a ação integrada de diferentes agentes e recursos localmente disponíveis, o Programa CLDS-4G tem como objetivos:
Aumentar os níveis de coesão social dos concelhos objeto de intervenção dinamizando a alteração da sua situação socioterritorial;
Concentrar a intervenção nos grupos populacionais que em cada território evidenciam fragilidades mais significativas, promovendo a mudança na situação das pessoas tendo em conta os seus fatores de vulnerabilidade;
Potenciar a congregação de esforços entre o setor público e o privado na promoção e execução dos projetos através da mobilização de atores locais com diferentes proveniências;
Fortalecer a ligação entre as intervenções a desenvolver e os diferentes instrumentos de planeamento existentes de dimensão municipal.

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestShare on LinkedInShare on StumbleUpon

Alzheimer: Um Problems Global, Uma Resposta Local“

O nosso obrigado à Amoviseu pela publicação do artigo „Alzheimer: Um Problems Global, Uma Resposta Local“.
Leia a revista: https://amoviseu.com
#amoviseu
#obrassociaisviseu
#centroapoioalzheimerviseu

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestShare on LinkedInShare on StumbleUpon